terça-feira, 16 de setembro de 2014

Eousdryosaurus nanohallucis gen. et sp. Nov: um novo dinossauro ornitópode do Jurássico Superior de Portugal

Eousdryosaurus, o pequeno dinossauro que viveu num tempo de gigantes
Reconstituição de Eousdryosarus nanohallucis (crédito: Raúl Martin)
Um grupo de investigadores associados do Laboratório de Paleontologia e Paleoecologia da Sociedade de História Natural publicou recentemente na revista internacional Journal of Vertebrate Paleontology a descoberta de uma nova espécie de dinossauro ornitópode que viveu no território português há 152 milhões de anos. Este novo dinossauro foi apelidado de Eousdryosaurus nanohallucis que significa “o dryossáurio do oriente com dedo reduzido” e pertence à Colecção Paleontológica da SHN, e é carinhosamente apelidado pela equipa como "Manuelino"! Bem vindo, então!
Várias jazidas do Jurássico Superior encontradas nos últimos anos na região centro-oeste de Portugal são especialmente ricas em restos de dinossauros e outros vertebrados, situação que tem permitido aumentar consideravelmente o conhecimento sobre os ecossistemas que constituíram a Península Ibérica há 150-145 milhões de anos. Este novo dinossauro foi encontrado em 1999 por um amador, num bloco caído das arribas na Praia de Porto das Barcas (Lourinhã). Posteriormente, o responsável pela descoberta, e que reuniu uma grande colecção de dinossauros por si recolhidos em 80km de costa litoral oeste, doou o seu espólio à Câmara Municipal de Torres Vedras, onde vive, para que esta integrasse a colecção paleontológica já existente na Sociedade de História Natural, sediada em Torres Vedras.
Cladograma de Eousdryosaurus
Este novo exemplar, em muito bom estado de preservação, consiste num esqueleto parcial do qual se encontram representados elementos da cauda, da cintura pélvica (pélvis) e das patas posteriores. Neste exemplar é de destacar a presença de um pé completo que permite constatar que Eousdryosaurus possuía um dedo do pé de pequenas dimensões (dedo I) e dirigido posteriormente, uma das características peculiares desta nova espécie. Ao longo da sua história evolutiva os dinossauros ornitópodes adquirem um pé constituído por três dedos. Contudo, a excelente preservação de Eousdryosaurus permite à comunidade científica concluir que isso ocorreu após a radiação dos dryossáurios, que ainda mantêm quatro dedos no pé.
Pata de Eousdryosaurus
O estudo do registo de dinossauros do Jurássico Superior Português permitiu a descoberta de mais de uma dezena de novas espécies. Entre estas, Eousdryosaurus é a primeira espécie de um ornitópode dryossáurio. Os dryossáurios foram um grupo de pequenos dinossauros bípedes e provavelmente ágeis e velozes que habitaram na Europa, América do Norte e África durante o final do período do Jurássico e início do Cretácico. Eousdryosaurus foi um pequeno dinossauro que viveu num tempo de gigantes: o esqueleto encontrado em Porto das Barcas pertenceu a um indivíduo que teriam aproximadamente 1.60 metros de comprimento e cerca de meio metro de altura. Este dinossauro encontrado em Portugal é ligeiramente mais pequeno que os exemplares mais bem conhecidos deste grupo, como é o caso do representante Norte-americano Dryosaurus.
A descoberta e o estudo desta nova espécie foram desenvolvidos por uma equipa internacional de investigadores da Sociedade História Natural (Torres Vedras), do Grupo de Biologia Evolutiva da UNED (Espanha) e da Universidade de Lisboa, que se têm dedicado conjuntamente e nas últimas décadas ao estudo das faunas de vertebrados, em particular dinossauros, do Jurássico Superior português. 
Para quem esteja por Torres Vedras, realiza-se dia 16 de Setembro pelas 17h a apresentação pública de Eousdryosaurus (Manuelino, para os amigos), no Museu Municipal de Torres Vedras, onde se encontra patente a exposição da SHN "Dinossauros que viveram na nossa terra".


Referencias:
Fernando Escaso, Francisco Ortega, Pedro Dantas, Elisabete Malafaia, Bruno Silva, José M. Gasulla, Pedro Mocho, Iván Narváez& José L. Sanz. “A new dryosauridornithopod (Dinosauria, Ornithischia) from the Late Jurassic of Portugal”. Journal of Vertebrate Paleontology, 34(5): 1102 - 1112.DOI:10.1080/02724634.2014.849715.